O que levo na minha bolsaEquipamentos

Sempre fui um apaixonado por fotografia desde a faculdade de comunicação mas somente em meados de 2006 comprei a minha primeira câmera fotográfica. E foi em uma festa em família que peguei a minha Leica e capturei um momento de muita emoção, um registro que abriu uma janela para o meu coração, onde entendi perfeitamente qual seria o meu caminho e o que eu gostava e queria fotografar. Estudei muito, mergulhei em livros e após 3 anos como assistente, larguei um sólido emprego de dez anos em uma multinacional para seguir meu sonho, e estou desde então, compartilhando momentos incríveis com pessoas maravilhosas.

Depois de um longo caminho e de vários tropeços eu pude perceber o que era realmente necessário e o que eu realmente precisava para exercer um bom trabalho. Fiz um relato algum tempo atrás neste post na minha página no Facebook. A verdade é que eu consegui me livrar das síndromes que diversos fotógrafos possuem, daquela necessidade descomedida de ter muitos equipamentos, de ter uma mala cheia, de super tele-objetivas. Paguei um alto e caro preço pela falta de informação e conhecimento. Hoje com mais experiência e amadurecido, pude entender aquilo que eu realmente preciso, o que eu realmente uso e que encaixam perfeitamente no meu conceito, no meu perfil de atuação em um casamento. Penso que quando definimos resolvemos! E aquilo que antes era um problema, no meu caso uma fortuna em equipamentos e uma mala pesada e um seguro ainda mais pesado, passa a ser uma solução, um livramento.

Meu conceito é baseado em emoção e estética. Essa é a chave do meu trabalho. No meu ponto de vista, se uma foto tem contexto familiar, tem história e um grande impacto emocional, a técnica pode ficar em “segundo plano”.

Meu equipamento básico

Utilizo hoje em meu trabalho 3 objetivas. Uso essas objetivas principalmente por gostar de estar perto do sujeito fotografado.

A primeira é a Canon 35mm 1.4L. É uma objetiva extremamente rápida e que proporciona uma nitidez fantástica. Sua angulação é perfeita pois não gosto de distorções e de modificar a realidade e descaracterizar as pessoas. Desde que resolvi trabalhar somente com objetivas fixas, pude notar uma melhoria considerável em meu trabalho. Meu posicionamento e minha composição evoluiu consideravelmente pois passei a movimentar mais e tentar sempre antecipar o momento decisivo, colocando de uma forma mais harmoniosa tudo o que eu queria manter no quadro.

A Canon 100mm 2.8L é outra grande paixão. É rápida e com uma nitidez incrível e sua extensão focal se encaixa perfeitamente no meu estilo de posicionamento, além de ser fantástica também para retratos.

Eu utilizava muito a Canon 50mm 1.2L e a Canon 85mm 1.2L porém eu vivia um relacionamento de amor e ódio pois eu tinha uma nitidez fantástica porém com um foco extremamente lento. Depois de um longo processo desisti dessa briga. Eu até hoje não entendo porque a Canon não resolveu essa questão.

Hoje mantenho a nova Canon 50mm 1.8 STM em minha bolsa e confesso que estou adorando a nitidez que ela entrega e também a rapidez de foco, tendo em vista seu custo-benefício.

Utilizo 3 câmeras Canon 5D mark III. Uma câmera fica como backup na bolsa. A 5D mkIII é um grande avanço se comparado a anterior 5D Mark II, no quesito rapidez e qualidade de imagem em Isos elevados. Trabalho sempre no limite, em altos Isos pois gosto da granulação proporcionado além de evitar sempre o uso de flash. Tive outras três 5D mark III com mais ele 300 mil cliques cada funcionando perfeitamente então me sinto confortável e confiante em usá-las, ainda mais com dois slots de cartão de memória, que é mais uma garantia e segurança na captura das imagens de um trabalho como casamento, onde não pode existir falhas.

Para sessões pré-casamento, levo um kit básico em minha bolsa ONA Brixton que é perfeita para ocasiões rápidas, além de usá-la no dia a dia, em reuniões com clientes. O acabamento dessa bolsa é algo impecável. É uma bolsa construída com extremo cuidado e extremo bom gosto! Vale todo o investimento.

Para o dia do casamento, levo meu equipamento completo em minha bolsa HoldfastGear Roamographer Black. Eu me encontrei nessa bolsa de equipamentos. Além do acabamento também impecável, ela é discreta e ao mesmo tempo suficiente para levar o necessário. Ela não é uma bolsa desajeitada e para viagens é perfeita. Além disso, posso colocá-la nos ombros e realizar um trabalho completo com conforto, quando não tenho condições de acomodar meus equipamentos em um local seguro.

Utilizo cartões CF e SDHC de 32gb e 64gb da Lexar e Sandisk no case da Pelican, que é uma referência em organização e proteção. Dependendo do momento, gosto de usar uma iluminação extra com o LED Manfrotto, que é pequeno, discreto e com uma angulação de iluminação adequada para o meu conceito de trabalho. Já trabalhei com outros tantos Leds porém eu não obtinha qualidade de luz. A temperatura de cor do Manfrotto é realmente algo diferenciado. Como grande parte dos casamentos ainda são realizados a noite, uso o flash Canon 600 EX-RT on-câmera quando necessário, utilizando baixas velocidades de obturador ou somente como preenchimento. Quando quero uma imagem mais elaborada ou diferenciada, utilizo o Canon Transmitter ST-E3 que é perfeito e não falha! Já tive vários outros rádios de marcas diversas e não tinham precisão que o conjunto da Canon proporciona.

Algumas das coisas mais importantes que aprendi ao longo do caminho é primeiro o entendimento que aquilo que produzimos é um reflexo de nossa personalidade e não podemos ir contra e sim tentar aprimorar a cada dia esse senso individual que nos move. Que o mais importante de tudo é entregar um trabalho forte, com contexto, com informações importantes para uma família que é a construção de um legado visual. E por último, o entendimento que a roda gigante nunca pára e devemos sempre estar estudando e tentando melhorar e aprimorar a cada dia para entregar o melhor, sempre com o intuito e visão de superar as expectativas das pessoas que confiam um dia tão importante de suas vidas em nossas mãos.

Boas vibrações!